Sexualidade e qualidade de vida
 
 

A sociedade tem progressivamente ampliado a reflexão sobre as questões ligadas à sexualidade. Com o aumento da expectativa de vida nas últimas décadas, a preocupação das pessoas tem-se voltado para a qualidade de vida, e, entre seus indicadores, a atividade sexual satisfatória tem sido um dos mais citados.

A partir da associação entre os modelos de Masters e Johnson (1984) e de Kaplan (1977), definiu-se que a resposta sexual saudável engloba quatro etapas sucessivas: desejo, excitação, orgasmo e resolução. E que as disfunções sexuais caracterizam-se por falta, excesso, desconforto e/ou dor no desenvolvimento deste ciclo. A disfunção pode afetar uma fase ou mais, o que pode comprometer todo o ciclo. Atualmente Basson contribui significativamente para a compreensão da sexualidade feminina, mas este tema é amplo e ficará para um próximo encontro.

Qual a prevalência no Brasil?

Considerando que as disfunções sexuais masculinas e femininas são prevalentes na população, atingem no Brasil 50,9% das mulheres e 48% dos homens. Desta forma acomete um grande número de casais, interferindo negativamente na qualidade da vida em família e repercutindo em outras áreas da vida.

Quais são os fatores que afetam?

A depressão é um importante fator de risco para a satisfação sexual porque compromete especialmente o desejo e sem ele o ciclo não avança.

Contexto: privacidade, satisfação nas relações sexuais anteriores, satisfação emocional

Hormônios: as alterações hormonais podem diminuir significativamente toda a modificação fisiológica de preparação para o ato sexual, tais como a lubrificação, a expansão das paredes da vagina, a diminuição do desejo, entre outros.

Estimulação inadequada, condições médicas (principalmente endocrinológicas, neurológicas, cardíacas, renais, hepáticas, psiquiátricas), efeitos de medicamentos, experiências sexuais infantis positivas ou negativas, crenças sobre sexo, conflitos pessoais, condições de vida estressantes, conflitos com a parceria atual, filhos pequenos, disfunção sexual do parceiro, uso de drogas, álcool, entre outros.

A busca de ajuda profissional

Os fatores devem ser investigados e para cada situação haverá uma proposta terapêutica. As disfunções também podem ser marcadores de outras doenças. A procura de um médico especialista é muito importante para o diagnóstico correto e orientação da melhor terapêutica recomendada em cada caso.

Quando de etiologia psicológica, uma simples orientação dirimindo mitos e tabus, e a ampliação da compreensão da sexualidade e do prazer, podem resolver uma parcela das dificuldades sexuais.

A psicoterapia com um psicólogo experiente e especialista em Sexualidade Humana é fundamental para diminuir os sintomas apresentados, pois muitos estão ligados à psicodinâmica das emoções.

Segundo a Organização Mundial de Saúde a Qualidade de Vida está alicerçada em quatro eixos: Família, Trabalho, Lazer e Sexualidade. Você concorda?

 

Compartilhe:
 
Envie por e-mail:
Imprimir: